Prateleiras

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Filme - Morto ao Chegar

"- Qual o assunto?
- Um assassinato.
- Quem foi assassinado?
- Eu."
Capa do DVD, lançado aqui pela Touchstone | Eu tenho!
Assim começa um ótimo filme para tardes chuvosas. Morto ao Chegar (D.O.A. - Dead on Arrival), de 1988, é a refilmagem de seu homônimo de 1950. Porém, diferente da primeira versão em que o personagem - e vítima - principal é um contador, neste aqui temos Dexter Cornell (Dennis Quaid), um professor de Língua Inglesa cujo assassinato (em andamento, diga-se de passagem) conduz toda a trama.
Cheio de reviravoltas, becos sem saída e detalhes plantados de maneira dissimulada nos planos e diálogos, o filme nos deixa atentos, prendendo a atenção do início até o final. Aliás, um ótimo final.
Mesmo não sendo um "grande clássico", D.O.A. tem uma direção competente, que soube recriar a atmosfera dos filmes noir sem, no entanto, deixar a produção caricata. O início em P&B, com a clássica sequência inicial behind-the-back, acompanhando a caminhada de Dexter até o distrito policial, é uma citação do original de 1950, que serve para colocar o espectador no clima do filme.
Chocado, perseguido pela polícia e em condições precárias de saúde, Dexter começa uma corrida contra o tempo na tentativa de descobrir quem o envenenou e porquê. Meg Ryan faz Sydney Fuller, uma aluna de que, acidentalmente, acaba se tornando a maior aliada de Dexter na busca pelo seu assassino.
A trilha sonora é bacana e escandalosamente '80s. Canções marcadas pelas famosas baterias eletrônicas - que infestaram a época como uma praga - e letras que falam de sexo, desesperança e decadência. Destaque para "Don't Bang The Drum" de The Waterboys, que pontua a cena da corrida de Dexter, e para o classicão "Rebel Yell", de Billy Idol (outro ícone dos anos 80).


Curiosidades:
- D.O.A. foi um dos três filmes que Dennis Quaid e Meg Ryan fizeram juntos enquanto estavam casados. Os outros dois foram "Viagem Insólita" e "A Força de Um Passado".
- A história foi filmada também em 1969, na produção australiana intitulada "Color Me Dead".
- A historinha da pistola de pregos já foi usada em diversos outros filmes, como, por exemplo "007 - Cassino Royale"
- O filme começa em P&B, passa a colorido assim que Dexter começa a narrar os acontecimentos das últimas horas, e vai se tornando monocromático a medida que a condição dele vai se deteriorando e que chega mais perto da solução do próprio assassinato.
- A sigla D.O.A. (Dead on Arrival) é um jargão profissional usado para indicar que o paciente estava clinicamente morto na chegada dos primeiros socorros ou no momento de sua entrada no hospital.

Citações:
Syd: - Eu queria passar uma noite com você, não a Eternidade!
***
Dex: - Eu me sinto horrível. Eu pus você no meio da confusão.
Syd: - Não, não se incomode. Você grudou em mim. Me arrastou seminua pela rua. Atiraram em mim. A maioria das garotas sonha a vida toda com isso.
***
Mrs Fitzwaring: - Como descobriu o assassinato?
Dex: - Sou médium.
Bernard: - Bom. Então já sabe o que vai acontecer com você.
***
Dex: - É tarde demais para mim.
Syd: - Isso é a vida... Bem aqui. Agora. Aceite... Por favor.
***
Dex: - Acha que pode roubar a paixão de alguém? Roubou apenas papel e tinta.
***

Nenhum comentário: