Prateleiras

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Série Warriors VII: A Esposa do Guerreiro

Olá crianças! Gostaram da nossa nova lady-editora?
Preparem-se, pois ela é é o teclado mais rápido do oeste e vai trazer muitos comentários e dicas sobre os contempôraneos.
Em tempo: é uma honra ter tão distinta lady no Blog!
O livro de hoje, continuando a "análise científica" da série Warrios, é Esposa do Guerreiro. E, desculpem-me a franqueza, é uma das maiores decepções da série. Depois de seis livros do quilate dos anteriores, Miss MM errou a mão feio!!!
Sir George de Gramercie, o elegante amigo do barão DeGuerre merecia ter sido pintado com outras tintas. O cavaleiro - que parecia um gentleman no outro livro - começa esta história como uma versão mais afrescalhada de Brad Pitt. Depois disso, passa o livro todo num jogo de gato e rato com a mocinha (?) Alice Dugall, que lembra uma versão hardcore da Tonhão (Cláudia Raia... TV Pirata... Alguém lembra? Ai, to velha mesmo!).

Bem, depois de idas e vindas, o moço começa a revelar uma lado mais másculo. Rolam até umas cenas quentes e você descobre que ele (pasmem!) oculta sua verdadeira - e violenta - personalidade sob um disfarce de habitante do Village novaiorquino porque (aff, nunca vi argumento mais sem noção!) matou seu cachorrinho a varadas num ataque de fúria quando era criança.

Bem, deixa eu parar por aqui. Estou mordaz demais para comentar o livro. Mas leiam, nem que seja para entender o desenrolar dos personagens da série.
PS: procurei na net, mas não achei a capa do livro. O meu ta velhinho, mas escaneei mesmo assim.


Clássicos Históricos 133
Autora: Margaret Moore
Título Original: A Warrior's Bride
Publicação original: Harlequin, 1998
Publicação no Brasil: Nova Cultural, 1998

RESUMO:

Feitos um para o outro?
Inglaterra, 1227

Lady Alice Dugall preocupava-se mais com questões marciais do que maritais. Mesmo assim, era a mulher que sir George de Gramercie desejava. Ele tinha certeza de que debaixo daquela aparência inabalável havia uma mulher ardente a setr despertada.
Alice Dugall lamentava o destino que a unia a sir George de Gramercie, um cavaleiro que parecia mais interessado nos luxos da vida do que na mecãnica da guerra. Mas, quando ele a olhou de modo ardente, ela não pensou em mais nada a não ser em se render.

Um comentário:

Lady Apfelstrudel disse...

Oi amiga!! Obrigada pela parte que me toca...hehehe... ainda estou emocionadíssima com o convite!
Sobre o livro, concordo em gênero, número e grau...afff... parece que MM perdeu a mao..digo... a linha, no meio do caminho. Nem dá para dizer que a culpa foi da traduçao..hehehe.. a nao ser que o/a responsável tenha descaracterizado TODO o livro...
Bjus!!!