Prateleiras

terça-feira, 27 de abril de 2010

Sepulcro - Kate Mosse

Terminei de ler Sepulcro hoje, às 3:30 da madrugada. Quando eu pego um livro assim, desses com que me atraco e não consigo largar, chego a ficar com pena quando termino. Porque isso só acontece quando o livro é BOM.
Kate Mosse já havia me conquistado em Labirinto. Seu estilo, de escrever duas histórias correndo paralelamente em duas épocas diferentes, mas profundamente interligadas, me conquistou desde as primeiras páginas. Com Sepulcro não foi diferente. A fórmula de sucesso foi repetida e temos novamente duas histórias interligadas, separadas no tempo por mais de um século. E se em Labirinto havia uma ação rápida, muitos deslocamentos no espaço físico, em Sepulcro a ação toda é mais contida, mais intimista. Os raciocínios são mais explorados, os sentimentos estão mais vivos e a angústia dos personagens vai se tornando cada vez mais palpável.
As duas protagonistas - Meredith e Léonie - são mulheres fortes, assim como as duas mulheres que conduziram a trama de Labirito. A primeira é a heroína contemporânea, uma mulher que vai ao Languedoc - região do sul da França -  em busca de material para sua biografia de Debussy, e também em busca de desvendar segredos de sua própria família. Léonie é a jovem que vive no século XIX, o fio condutor do mistério, a desbravadora dos segredos do sepulcro, o esteio do desventurado irmão Anatole -  pivô de toda a trama e de toda a tragédia.
De novo há um homem fraco entre duas mulheres - Anatole - assim como houve o chevalier Du Mas, em Labirinto. E mais uma vez há a presença Audric Baillard/Sahjë, como o guardião dos segredos que habitam o limbo entre o tempo e o espaço. E, como não poderia deixar de ser, há o vilão supremo, o antagonista de todos, Victor Constant,  o diabo em forma de gente.
Se em Labirinto a antagonista era uma mulher, aqui é um homem. Charmoso, lindo, rico e poderoso (ok, ok, eu tenho uma quedinha por vilões...), ele é obcecado por uma pessoa (não conto quem, senão vira spoiller) e vai levar essa obssessão às últimas consequências MESMO. Seu primeiro confronto com Léonie é tão intenso que eu me peguei rezando pela sua redenção. Tenho certeza de que quando vocês lerem, vão me entender.
Há também o vilão contemporâneo, o espelho de Constant no futuro, Julian Lawrence, mas ele não chega nem aos saltos das botas sempre polidas do Victor.
E a pitada de romance que, é claro, a gente adora, fica a cargo da Meredith e do Hal, o sobrinho de Julian.
A trama é muito bem construída, a argumentação toda fundamentada, sem pontas soltas. E se ao ler a sinopse do livro você se pergunta como a Kate vai conseguir juntar Debussy, Tarot, Languedoc, heresias e visigodos, ao final você estará batendo palmas e dizendo "Uau, e não é que ela conseguiu?"
Agora, é esperar o próximo, já que, no site da autora, ela anuncia Labirinto e Sepulcro como parte da Trilogia do Languedoc.
Saldo final: NOTA DEZ para Sepulcro!


FICHA TÉCNICA:
Título:Sepulcro
Autora: Kate Mosse
Título Original: Sepulchre
Publicação no Brasil: Suma de Letras, 2009
Publicação Original: Mosse Associates, 2007
600 páginas

RESUMO:
Em Rennes-les-Bains, uma charmosa vila do sul da França, as lendas sobre seres estranhos correm de boca em boca. Mas seriam mesmo apenas rumores espalahados pelos ingênuos moradores? Algo maligno parece haver despertado...
Os acordes de uma obra de Debussy saem de um antigo sepulcro e os fantasmas do passado dançam ao compasso da música. Tudo começa com uma leitura de cartas do tarô, que marcará os destinos de Léonie e Meredith, duas mulheres que vivem em dois séculos diferentes. Dois destinos que, segundo as cartas, são apenas um.
Música, amores infelizes, assassinatos, perseguições, esoterismo e autores malditos tecem os fios deste fascinante romance. Dentro desse sepulcro, encontraremos as respostas que suas protagonistas perseguem e que determinarão os caminhos de suas vidas para sempre.

5 comentários:

Débora Lauton disse...

Ai, esse livro é bom mesmo, né?? Eu também não desgrudei... adoro quando a gente começa a ler um livro e não consegue mais parar...

beijos,
Dé...

Lady Apfelstrudel disse...

Afff...mais um para minha lista de desejos estratosférica...rsssss
Bjusssss

Hérida Ruyz disse...

Oi Drika!
Meninaaaa....eu não cohecia seu blog! Pode?kkk
Adorei seu cantinho. suas resenhas dão até gosto de ler. kkk
Estou com Sepulcro na minha pilha imensa de livros p/ ler. Sempre olho p/ ele e digo que será o proximo. Mas por um motivo ou outro, acabo deixando ele p/ depois.kkk
Já estou te seguindo, quero acompanhar de pertinho as sua leituras.
BJs

Drica_BT disse...

Oi Hérida! Seja muito bem vinda. Olha, passa esse livro pro topo da pilha porque vale a pena!
BJS

Mayara (tuppence64@hotmail.cm) disse...

Ola, adorei seu blog!
Realmente, Sepulcro é um livro cativante, e está na minha disputada lista dos Top 5, com certeza!
O terceiro livro da série chama-se "The Winter Ghosts", ele é menor e, na minha opinião, não chega ao padrão de seus antecessores. Não sei quando chegará às livrarias a edição em Português.

Abraços!

Mayara.