Prateleiras

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Crepúsculo - Stephenie Meyer [#1]

"Crepúsculo" abre a maratona "51 livros em 2012", proposta pelo Alquimia dos Romances. Escolhi especificamente esta série porque ela estava encalhada na minha estante fazia mais de um ano. Eu havia folheado o primeiro livro, lido algumas páginas mas, como a narrativa não havia me prendido, eu deixei de lado. Pois bem, a proposta da Elimar veio para me ajudar a tirar o mofo de Bella, Edward e cia.
Muita gente já falou, leu, comentou e brigou por conta desta série. Neste primeiro livro eu me esforcei ao máximo para dissociar a imagem dos personagens dos atores que os interpretaram no cinema. Isso porque eu, particularmente, acho o casal um verdadeiro picolé de chuchu. Diet. Enfim, há quem goste.
O livro é bem escrito. O uso da primeira pessoa sempre dá um toque mais angustiado, uma sensação quase que claustrofóbica a trama. Ficar preso a uma só visão, sem aquela onisciência do narrador em terceira pessoa, captura a atenção do leitor com muita eficiência. Stephenie Meyer soube fazer excelente uso deste recurso.
A saga de Bella, a mais nova habitante - a contragosto - da chuvosa Forks, começa bem devagar. Eu confesso que custei a engrenar o ritmo da leitura, mas fui adiante. Achei muito frequentes as referências a falta de jeito da personagem, a sua inadequação e a sua total falta de traquejo social. Entendo que a autora quisesse demonstrar uma jovem comum, desajeitada e tímida, mas o reforço dessa "esquisitice" praticamente a cada duas páginas me irritou um pouco. Gostei da relação dela com o pai, um misto de estranheza, delimitação de território e camaradagem silenciosa. Vamos ver como evolui nos outros livros.
O aparecimento de Edward foi um dos pontos que também testou minha paciência. Até praticamente a metade do livro eu tive que fazer força para simpatizar com ele. De tão misterioso, ele começou a ficar cansativo. De tão reticente, ele parecia que não tinha mesmo nada a dizer. Somente quando um pouco da história dele, de sua família, e também dessa dinâmica familiar começaram a ser - enfim - revelados, foi que comecei a gostar do personagem. Falando na família Cullen, simpatizei muito com Alice!
Pelo que percebi, o livro deixou inúmeros ganchos nas entrelinhas, prontos para puxarem o resto da saga. A autora soube despertar a curiosidade dos leitores, com cenas cheias de suspense, embora de certa previsibilidade. 
Sei que o estardalhaço em torno da saga se deve mais a questões de marketing. Não é uma obra prima - e duvido que Stephenie Meyer tivesse esta pretensão - mas é um livro interessante para ler num dia de folga. Tem humor, mistério, suspense, romance, ação e deixa portas abertas para continuações - coisa que leitores a-do-ram!
Agora, vou pegar o segundo volume da série e ver no que dá.


CREPÚSCULO
Twilight
Stephenie Meyer
Intrínseca, 2008
416 páginas

Nenhum comentário: