Prateleiras

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Orgulho e Preconceito e Zumbis

"Orgulho e Preconceito e Zumbis" é um dos mais famosos representantes de um novo filão literário, chamado mash up novels. Hein? Isso é de comer ou de passar no cabelo?
Bom, eu explico. Apesar do nome que soa como marca de chiclete, "mash up novel" é um novo gênero(?) cuja proposta é pegar um clássico da literatura (que seja, de preferência, de domínio público) e revisitá-lo, adicionando outra perspectiva ao enredo, outros personagens, enfim, modificando avacalhando a história que o pobre - e presumidamente já falecido autor - teve um puta trabalho para escrever.
Eu até diria que isso é um derivativo das fans-fics, mas a diferença é que nas fics o pessoal CRIA um novo enredo usando seus personagens e histórias favoritos.
Eu comprei o livro de Seth-Grahame Smith por curiosidade, e também por gostar de Jane Austen. A editora Intrínseca fez uma grande divulgação nas mídias sociais e despertou minha atenção. Ai de mim...
Logo no início a célebre frase de abertura de Jane Austen “É uma verdade universalmente aceita que um homem solteiro, dotado de uma certa fortuna, precisa de uma esposa.” é contaminada pela praga dos não-mencionáveis: "É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros."
O começo do livro até que é interessante, com a mescla do texto de Jane Austen com as inserções dos mortos-vivos e as consequências da presença deles na ilha de Sua Majestade. No entanto, lá pela terceira ou quarta página a coisa começa a ficar cansativa. O autor não fez uma releitura do livro, nem sequer uma adaptação; ele simplesmente inseriu os zumbis no contexto, cortou umas sequências aqui e ali, emendou outras, encheu a história de tiradas escatológicas e conseguiu uma boa assessoria de marketing.
A Elizabeth Bennett que surgiu dessa mistura deixou de ser a mulher sensível, inteligente e de aguçado espírito crítico para se tornar um híbrido de ninja assassino com uma mala-sem-alça. Ela é enjoada, vive se irritando por qualquer coisa e repetitivamente tem ímpetos de ataravessar alguém com sua katana. Ou seja, parece que está eternamente na TPM. O Sr Darcy, tão interessante no original, fica perdido, xoxo, sem personalidade alguma. Tanto ele quanto o Sr Bennett - cuja ironia sutil sempre fez um delicado contraponto com a de Elizabeth - viraram coadjuvantes menores do que os tais zumbis.
Pouco se salva da miscelânea que Seth-Grahame criou. Uma delas é o "Guia de Discussão para o Leitor" que foi inserido no fim do livro, a única coisa que me fez rir de verdade. Jane, a mais velha e mais doce das Bennett, vira uma Barbie sem sal e, embora o autor tente nos convencer do contrário, é difícil vê-la como uma matadora de zumbis tão furiosa quanto Elizabeth. O participação do Sr Wickham é outro desastre. Seu destino grotesco e despropositado ao lado de Lydia parece um fragmento de outra história, que foi incorporado de qualquer jeito ao texto, deixando a sensação de que você está lendo algo (mais ainda) sem pé nem cabeça.
Ou seja, o livro é de dar medo. No mau sentido.
Pior de tudo é saber que o gênero vai virar (mais uma) modinha e que já começaram a pipocar mash ups por aí, na mesma velocidade exponencial com a qual vampiros se expandiram pelo mundo. [bate na madeira]
E para horror dos horrores - provando que além da praga dos não-mencionáveis, a praga da cara-de-pau também assola o mundo - "Orgulho e Preconceito e Zumbis" está para virar filme.
Depois dessa, de uma coisa eu tenho certeza: Jane Austen deve estar prestes a se erguer do túmulo. Pois se revirando dentro dele, ah, isso ela já está!

4 comentários:

Karlinha disse...

Com certeza Jane austen deve estar gritando e se rebatendo.

ótimo post.

Drica Bitarello disse...

È o que eu penso, Karlinha.
Obrigada pela visita!

Juliana Vicente disse...

Que tristeza. Desde que lançaram o livro não tive a mínima curiosidade em ler e depois da sua resenha é que vou correr léguas desse livro.

Eu não gosto desse novo "estilo", sinceramente acho que esses autores em vez de enfeitar e mudar a obrar de alguém deveria criar algo dele próprio.

Com tantos livros bons para ler, não irei perder tempo lendo esse livro.

Beijos

Luciana Viter disse...

Drica,

Destaque para a "assessoria de marketing" buscada pelo auto, com certeza a principal responsável pelas vendagens da obra, além da curiosidade dos fãs de JA.

Só folheei o livro e não li propriamente, porque não curto muito zumbis, vampiros e afins também, mas com o pouco que deu pra captar fiquei com a mesma impressão que você sobre o texto.

Mas, por outro lado, sou do time que aceita "quase tudo" que possa estimular os jovens, principalmente, a ler, então se for despertar a curiosidade de alguém para o original, para mim já valeu a pena ser escrito e impresso...

E não sou contra os mash-ups por sí só, acho que podem ser uma alternativa interessante e meio a cara de nosso tempo, pós-moderna até eu diria. Apenas é necessário, como em tudo o mais, procurar qualidade.

Já foram publicados outros livros neste filão como "Razão e Sensibilidade e os Monstros Marinhos" (?) e o brasileiro “O Alienista e o fantasma de Jing Ru” ...

E não exatamente do mesmo tipo, mas diria que na mesma linha, saiu o livro "Jane Austen, a Vampira", do qual alguns leitores mais exigentes estão gostando...

Abraços e parabéns pelo blog!