Prateleiras

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Filme - O Labirinto do Fauno

Olá, pessoas.
Como disse no meu Twitter agora há pouco, terminei de assistir esse filme e confesso que fiquei passada.
Historinha rápida: tenho uma cópia desse filme há uns anos aqui em casa. Um amigo cinéfilo tinha me dado, mas eu sempre protelava para assistir. Começava e parava. Acho que é porque eu já sabia que o filme ia mexer comigo. Daí, comprei o DVD dia desses e tomei coragem.
Labirinto do Fauno é uma co-produção de Espanha, México e EUA, lançado em 2006 e escrito, dirigido e produzido por Guillermo Del Toro. O filme foi indicado para seis Oscars e arrematou 3 estatuetas: melhor direção de arte, fotografia e maquiagem.

SINOPSE:
Espanha, 1944. Oficialmente a Guerra Civil já terminou, mas um grupo de rebeldes ainda luta nas montanhas ao norte de Navarra. Ofelia (Ivana Baquero), de 10 anos, muda-se para a região com sua mãe, Carmen (Ariadna Gil). Lá as espera seu novo padrasto, um oficial fascista que luta para exterminar os guerrilheiros da localidade. Solitária, a menina logo descobre a amizade de Mercedes (Maribel Verdú), jovem cozinheira da casa, que serve de contato secreto dos rebeldes. Além disso, em seus passeios pelo jardim da imensa mansão em que moram, Ofelia descobre um labirinto que faz com que todo um mundo de fantasias se abra, trazendo consequências para todos à sua volta.

RESENHA & SPOILLERS :
Fazia tempo em que um filme não prendia minha atenção assim. A cena inicial, um plano que vai se fechando sobre uma menina ferida e caída no chão, já dá a idéia de que, apesar do título e do toque de fantasia, O Labirinto do Fauno não é um filme para crianças.
A fotografia toda do filme é muito sombria. Cores escuras, sombras, iluminação quase todo o tempo amarelada ou azulada, sempre no centro da tela, deixando os cantos do enquadramento sempre na penumbra, como se para dar a impressão de que há sempre mais alguma coisa ali além do que você está vendo. São poucas as cenas externas e, mesmo assim, elas são tensas, claustrofóbicas mesmo.
Ofélia, a menina que protagoniza toda a ação, é a inocência no meio da guerra, da selvageria e da crueldade. Vidal, o padrasto, capitão de uma guarnição do exército fascista, é um dos vilões mais cruéis que já vi nas telas. E Mercedes, a cozinheira, espiã e aliada involuntária de Ofélia, se transforma na heroína inesperada desta história, aquela que redime (quase) tudo e todos.
A maquiagem e os efeitos especiais são um caso a parte. Belíssimos, sem exageros tecnológicos nem ostentações hollywoodianas. Destaco a cena do Homem-Pálido que, na minha opinião, pode ir para o rol dos maiores clássicos do horror. Maquiagem perfeita, timming idem.
Outro ponto alto é a reviravolta que a descoberta das atividades de Mercedes causa no equilíbrio do filme. Preparem-se para outra cena fortíssima quando Vidal, o malvadão, pensa que está com a faca e o queijo na mão e acaba com uma segunda boca - literalmente - feita pela doce Mercedes.
No fim das contas O Labirinto do Fauno é uma fábula para adultos, um exercício sobre guerra e paz, amor e ódio, vida e morte. é também um conto fantástico, que mistura a fantasia dos Irmãos Grimm com o fantástico e sombrio mundo de Edgar Allan Pöe e H P Lovecraft no mesmo caldeirão. O resultado ficou ótimo!

BJS da Drica ;-)
(PS: para quem quer assistir com boa qualidade, comprei meu DVD na Americanas, numa daquelas banquinhas mágicas de liquidação, por 12,90)

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Sem Refúgio - Helen R. Myers

Bay Butler é uma mulher sozinha. Condenada a prisão perpétua pelo assassinato de seu sócio e amigo Glenn English. Após seis anos na prisão, Bay é surpreendida pela visita de um advogado, que lhe diz que sua sentença foi anulada. Bay está livre.

É mais ou menos assim que começa esse thriller de suspense escrito pela americana Helen R Myers. Sem Refúgio é um livro de tirar o fôlego. Cheio de reviravoltas, com um ritmo muito ágil, em que cada capítulo é situado em data, hora e local, lembrando uma série policial, ele se desenvolve a partir da obssessão de Bay em descobrir porque foi sumariamente condenada pela morte do amigo para, depois de seis anos, ser libertada sem maiores explicações.
O livro carrega todo o peso da angústia de Bay. Uma moça de pouca educação, que teve uma infância pobre e que acabou se tornando soldadora e artesã mais por falta de oportunidades na vida do que por vocação. O trabalho de Bay é o único lugar onde ela se sente segura. Ao sair da penitenciária ela procura sua benfeitora, Madeleine Ridgeway, uma milionária, mantenedora de uma igreja chamada Missão da Bondade, que parece dominar a pequena cidade de Tyler, no Texas. Curiosamente, o projeto em que Bay trabalhava quando Glenn foi assassinado era exatamente para a sra Ridgeway que, além de ter sido a grande responsável por sua libertação, se converte em mecenas e provedora, no intuito de fazer com que Bay se readapte a vida em liberdade.
Como se não bastasse a relutância com que Bay aceita a ajuda financeira de Madeleine, ela tem que lidar ainda com a presença inquietante de Jack Burke, o policial que a deteve e que ajudou o júri a condená-la.
No entanto, nada nesta história é o que parece ser. E quando Bay pensa que finalmente vai poder retomar sua vida, ela novamente é virada de pernas para o ar.
A autora conseguiu passar com muita propriedade e delicadeza a personalidade arredia de Bay. Ela não é nem um pouco sociável, tem dificuldades em se relacionar com outras pessoas e aversão a contato físico. Sua mente desconfiada a deixa sempre em alerta, e as lembranças da prisão estão sempre ecoando em sua cabeça. Destaco a cena da primeira noite dela em casa. Comovente.
O livro não é hot, já aviso. Mas as cenas românticas são boas, doces e muito suaves. Sem longas descrições, mas transpirando ternura, que é exatamente do que alguém como Bay precisa. E Jack Burke não deixa nada a desejar no quesito TDB-romântico-meio-durão. Ele é, na verdade, o cara que toda mãe queria ter como genro.
No final, as revelações são surpreendentes. Pegue sua xícara de café, sente-se em sua poltrona favorita num dia chuvoso e delicie-se com esse livro. Você não vai se arrepender.
BJS da Drica ;-)

FICHA TÉCNICA:
Bestseller 65
Título Original: No Sanctuary
Autora: Helen R Myers
Publicação Original: 05/2003, Mira Books.
Publicação no Brasil: 2003, Nova Cultural
315 páginas

RESUMO:
PARA ONDE IR QUANDO NÃO HÁ LUGAR PARA SE ESCONDER?

A artesã Bay Butler passou seis anos em uma prisão do Texas, por um crime que não cometeu. Até que os esforços de uma cliente poderosa reverteram sua sentença. Subitamente Bay viu-se liberta, mas ainda atormentada por infinitas perguntas. Por que fora presa sob evidências circunstanciais? E o que realmente aconteceu na noite em que seu sócio foi encontrado brutalmente assassinado no local onde trabalhava?
Sua busca pela verdade aproximou-a de Jack Burke, o policial que a prendera pelo assassinato. O caso de Bay Butler assombrava-o fazia seis anos... assim como aquela mulher.
Bay sentia que devia a própria vida à sua benfeitora, Madeleine Ridgeway. Mas sentia-se inquieta com a atenção extremada que a mulher lhe dedicava.
Madeleine era chefe poderosa de uma grande igreja, e sua ajuda deveria ser bem-vinda. Em vez disso, acabou colocando Bay e Jack na trilha de segredos mortais, capazes de ameaçar as fundações da pequena cidade do Texas... uma cidade onde poder e dinheiro valiam sangue! 

terça-feira, 27 de abril de 2010

Sepulcro - Kate Mosse

Terminei de ler Sepulcro hoje, às 3:30 da madrugada. Quando eu pego um livro assim, desses com que me atraco e não consigo largar, chego a ficar com pena quando termino. Porque isso só acontece quando o livro é BOM.
Kate Mosse já havia me conquistado em Labirinto. Seu estilo, de escrever duas histórias correndo paralelamente em duas épocas diferentes, mas profundamente interligadas, me conquistou desde as primeiras páginas. Com Sepulcro não foi diferente. A fórmula de sucesso foi repetida e temos novamente duas histórias interligadas, separadas no tempo por mais de um século. E se em Labirinto havia uma ação rápida, muitos deslocamentos no espaço físico, em Sepulcro a ação toda é mais contida, mais intimista. Os raciocínios são mais explorados, os sentimentos estão mais vivos e a angústia dos personagens vai se tornando cada vez mais palpável.
As duas protagonistas - Meredith e Léonie - são mulheres fortes, assim como as duas mulheres que conduziram a trama de Labirito. A primeira é a heroína contemporânea, uma mulher que vai ao Languedoc - região do sul da França -  em busca de material para sua biografia de Debussy, e também em busca de desvendar segredos de sua própria família. Léonie é a jovem que vive no século XIX, o fio condutor do mistério, a desbravadora dos segredos do sepulcro, o esteio do desventurado irmão Anatole -  pivô de toda a trama e de toda a tragédia.
De novo há um homem fraco entre duas mulheres - Anatole - assim como houve o chevalier Du Mas, em Labirinto. E mais uma vez há a presença Audric Baillard/Sahjë, como o guardião dos segredos que habitam o limbo entre o tempo e o espaço. E, como não poderia deixar de ser, há o vilão supremo, o antagonista de todos, Victor Constant,  o diabo em forma de gente.
Se em Labirinto a antagonista era uma mulher, aqui é um homem. Charmoso, lindo, rico e poderoso (ok, ok, eu tenho uma quedinha por vilões...), ele é obcecado por uma pessoa (não conto quem, senão vira spoiller) e vai levar essa obssessão às últimas consequências MESMO. Seu primeiro confronto com Léonie é tão intenso que eu me peguei rezando pela sua redenção. Tenho certeza de que quando vocês lerem, vão me entender.
Há também o vilão contemporâneo, o espelho de Constant no futuro, Julian Lawrence, mas ele não chega nem aos saltos das botas sempre polidas do Victor.
E a pitada de romance que, é claro, a gente adora, fica a cargo da Meredith e do Hal, o sobrinho de Julian.
A trama é muito bem construída, a argumentação toda fundamentada, sem pontas soltas. E se ao ler a sinopse do livro você se pergunta como a Kate vai conseguir juntar Debussy, Tarot, Languedoc, heresias e visigodos, ao final você estará batendo palmas e dizendo "Uau, e não é que ela conseguiu?"
Agora, é esperar o próximo, já que, no site da autora, ela anuncia Labirinto e Sepulcro como parte da Trilogia do Languedoc.
Saldo final: NOTA DEZ para Sepulcro!


FICHA TÉCNICA:
Título:Sepulcro
Autora: Kate Mosse
Título Original: Sepulchre
Publicação no Brasil: Suma de Letras, 2009
Publicação Original: Mosse Associates, 2007
600 páginas

RESUMO:
Em Rennes-les-Bains, uma charmosa vila do sul da França, as lendas sobre seres estranhos correm de boca em boca. Mas seriam mesmo apenas rumores espalahados pelos ingênuos moradores? Algo maligno parece haver despertado...
Os acordes de uma obra de Debussy saem de um antigo sepulcro e os fantasmas do passado dançam ao compasso da música. Tudo começa com uma leitura de cartas do tarô, que marcará os destinos de Léonie e Meredith, duas mulheres que vivem em dois séculos diferentes. Dois destinos que, segundo as cartas, são apenas um.
Música, amores infelizes, assassinatos, perseguições, esoterismo e autores malditos tecem os fios deste fascinante romance. Dentro desse sepulcro, encontraremos as respostas que suas protagonistas perseguem e que determinarão os caminhos de suas vidas para sempre.

domingo, 25 de abril de 2010

Promoção Dia das Mães - Quero levar o Ragnar pra casa!

Olá pessoal!

Aproveitando que o Dia das Mães está chegando, nós aqui no blog resolvemos fazer nosso primeiro sorteio. E aproveitando a deixa, além de divulgarmos meu livro "O Reino dos Céus", lançado este ano pelo Clube de Autores, vamos presentear a(o) sortuda(o) com um exemplar autografado do livro!

"O Reino dos Céus" é o início da saga de Radegund, uma mulher que vive sob a falsa identidade de um soldado cristão e que luta como mercenária na Terra Santa. A história começa em 1187, às vésperas da batalha de Hattin, a derrota decisiva das forças cristãs para os muçulmanos. Depois dela, a queda de Jerusalém seria apenas uma questão de tempo.

Em meio a guerra, intrigas e aos esforços de Radegund para manter seu cada vez mais frágil segredo, o leitor é apresentado a Leila, a jovem e voluntariosa sarracena, filha de um mercador, que acaba se apaixonando pelo mercenário norueguês Ragnar Svenson, um homem de passado misterioso. Além dele, há ainda o mestiço Mark al-Bakkar, um cavaleiro sedutor e fanfarrão, cuja vida é salva pelo "soldado" Raden no campo de batalha.

Alianças inusitadas, desencontros, romances, paixão, amizade e traições. "O Reino dos Céus" é uma história onde as lealdades são testadas ao limite. E onde o mal espreita em cada esquina.

Para ver a cotação e as resenhas sobre o livro no Skoob CLIQUE AQUI.
Para conhecer o livro, visite o Clube de Autores.
Para se inscrever na promoção, CLIQUE AQUI!

Divulgue!

Quero levar o Ragnar pra casa!



Reencontros – Linda Howard

Oi people!


Um dos primeiros livros de livraria que comprei da Linda Howard foi Reencontros. Como ele foi lançando pela Bertrand Brasil, nem preciso dizer o quanto às qualidades de tradução e de produção foram maravilhosas. A única coisa que não mereceu nota 10 na época em que o comprei foi o preço. Porque, vamos combinar, livro de livraria é muiiiiiito caro!


Já conhecia outros livros dessa mesma autora – principalmente os livros de bolso ou, como são popularmente conhecidos, livros de banca. Assim, comprei sem medo de ser feliz....e fui MUITO FELIZ!


Spoillers!!



A história sai do lugar comum de tantas que lemos... A mocinha tem seu filhinho sequestrado quando este ainda era bebê. Com isso, ela decide dedicar sua vida para encontrá-lo. O marido, médico, não consegue segurar o tranco; não sabe como lidar com a perda e a forma dele continuar a vida era esquecer. Milla, a mãe, não pode esquecer por mais que todos – inclusive sua família – lhe digam que isso é o melhor. Afinal, como continuar como se nada houvesse acontecido quando uma parte dela foi arrancada dos seus braços (literalmente)? Por isso, faz de tudo para encontrar seu pequeno, sem sucesso infelizmente.


O casamento acaba; cada um tenta reconstruir a própria vida como pode. Dez anos passam e o agora ex já é um homem bem casado novamente e com outro filho. Milla, que continuou na busca incessante pelo seu filho, criou nesse meio tempo uma espécie de ONG para encontrar pessoas desaparecidas, em especial crianças.


Volta e meia recebe alguma dica sobre seu bebê. Uma delas fez com que Milla conhecesse James Diaz, um homem sinistro e, suspeita-se, assassino profissional [yesss, nosso mocinho era um mauzinho hehehe]. Esse encontro se dá de forma bem pitoresca, digamos assim. Ambos fazem um pacto e Diaz começa a ajudar Milla a encontrar o sequestrador do seu garotinho (que tenta implicar Diaz, por sinal).


Milla e Diaz acabam descobrindo uma trama que envolve desde tráfico de crianças e, depois, de órgãos. Algo muito, muito grande, que inclui pessoas proeminentes e conhecidas, de carater – teoricamente – ilibado.


O final - aliás, o livro todo - é eletrizante e emocionante demais!



Sinopse publicada no site da editora Bertrand Brasil:


Em uma manhã ensolarada no México, Milla Edge vê sua maior paixão desaparecer num piscar de olhos: seu bebê recém-nascido é literalmente arrancado de seus braços, num rapto violento e inexplicável. Carregando a angústia de não saber o paradeiro do filho, Milla funda uma organização especializada em encontrar crianças desaparecidas. Dez anos mais tarde, apesar de ter ajudado várias famílias desesperadas, ela continua sem ter qualquer pista sobre o crime que a marcou profundamente. Desde então, sua vida pessoal desmoronou e sua sanidade, por pouco, não foi afetada. Mas as coisas começam a mudar de figura quando Milla recebe um telefonema anônimo... A partir de então, a cada passo ela parece estar mais perto de seu filho – e também mais próxima da morte. Reencontros, um thriller hipnotizante de Linda Howard, é uma história para mexer com os nervos e com o coração.


Ao viajar para uma pequena cidade do México, seguindo uma pista aparentemente segura, Milla começa a descobrir o terrível destino de inúmeras crianças desaparecidas nos últimos dez anos, devido à atuação de uma quadrilha especializada no contrabando de bebês. A chave para desmantelar a gangue pode estar nas mãos de um arredio homem de um olho só. Para encontrá-lo, Milla une forças com James Díaz, um caçador misterioso que, ao mesmo tempo em que é especialista em localizar pessoas desaparecidas, parece estar envolvido em uma série de crimes...


Nessa busca desenfreada, Milla se vê numa intriga que envolve um esquema muito maior e bem mais perigoso do que ela poderia imaginar, chegando aos mais altos escalões de poder e influência. Em meio à tensão, no entanto, Milla redescobre o amor e vê sua esperança renascer. Em Reencontros, a celebrada Linda Howard mostra ao público seu maior talento: a capacidade de criar fortes emoções a cada página.


Recomendadíssimo esse livro!


Abraços carinhosos,

Lady Apfel

Filme - Hairspray: Em busca da fama


Oi people!
Acabei, por um acaso da vida, assistindo hoje o filme Hairspray...yes, esse mesmo, com o John Travolta! Sempre li ótimas críticas sobre esse remake, mas nunca tinha parado para assisti-lo. Hoje foi o dia.

Esse remake é do filme 'Hairspray', de 1988, e a história se passa na década de 60. O filme/musical é muiiiiiiito bom! O chamaria de dramédia, porque apesar de ser uma comedia super gostosa de assistir, traz ainda o drama das diferenças, sejam de corpo, raça, credo e tals... supimpa!



Reprodução



Spoillers!!

O elenco escalado é estrelar. John Travolta interpreta a dona de casa Edna Turnblad, que é casada com Wilbur Turnblad (Christopher Walken). Os Turnblad têm uma filha, chamada Tracy Turnblad (Nikki Blonsky), que é bem gordinha como a “mãe” e começa a fazer sucesso com sua dança e seu jeito alegre quando se apresenta num programa de TV. Essa popularidade faz com que o reinado de Amber Von Tussle (Brittany Snow) fique abalado. Fora que o seu futuro ex-namorado Link Larkin(Zac Efron), está ficando muiiiito interessado na Tracy.

Além disso, Tracy, agora ciente dos preconceitos raciais, decide usar sua fama para apoiar o manifesto negro pelo fim da segregação racial. Isso dá uma arma à mamãe de Amber, a loiríssima vilã Velma Von Tussle (Michelle Pfeiffer) – porque sempre dão sobrenomes alemães/austríacos aos vilões??? Sacanagem, viu? – que vai usar uma reação da Tracy contra a polícia como forma de puni-la. Dessa forma matará dois coelhos com uma cajadada, pois não vai deixar que a filha perca o namorado E o concurso Miss Auto Show.

Temos ainda a doce Penny Pingleton(Amanda Bynes), melhor amiga de Tracy, e Link Larkin – já falei dele né? - como mocinho bonito, talentoso e egoísta que no final se redimi e se apaixona pela Tracy (yesssss, o gatinho se apaixona pela gordinha!!! Uhuuuuuuu). Queen Latifah está uma diva maravilhosa interpretando a personagem Motormouth Maybelle.



Reprodução



Sinopse:
Em Baltimore, nos Estados Unidos, quando os cabelos e as danças extravagantes eram a sensação do momento, a gorducha Tracy Tumblad (Nikki Blonsky) aposta todas suas fichas em um popular programa de TV, e acaba se tornando uma celebridade. Contudo, o caminho da fama para Tracy não será nada fácil, já que terá de enfrentar a ira de Amber Von Tussle (Brittany Snow), a ex-rainha do pedaço, e as ambições de sua mãe Edna (John Travolta), que ameaça mandá-la para a escola católica.
Fonte: Site Interfilmes
Bom, posso falar horas e horas do filme, dos atores/personagens, da músicas (99,9% maravilhosas também), além dos detalhes que me chamaram a atenção, mas seria injusto...então, VÃO ASSISTIR QUE ELE É MARA!...rssss

Abraços carinhosos,
Lady Apfel


sábado, 24 de abril de 2010

Amor Proibido - Kat Martin

Gente, eu A-DO-RO quando compro um livro "no escuro" e ele é bom! "Amor Proibido" eu comprei assim, por acaso. Precisava de algo para ler na sala de espera do médico e escolhi ele, na banca de jornal. Dei uma lida rápida no resumo e, como era histórico, catei logo.
A história tem tudo aquilo que eu gosto num romance. O protagonista, Nicholas Warring, foge ao padrão herói-rico-e-perfeito. Ok, ele é rico e perfeitamente sexy. Mas também é um ex-prisioneiro que passou vários anos exilado na Jamaica, cumprindo pena de trabalhos forçados por ter matado um homem. Condenado ao ostracismo pela rígida sociedade inglesa, amargurado até o último fio de cabelo, Nicholas assumiu a alcunha que recebeu, de "Conde Devasso" e promove frequentes orgias em sua propriedade rural, Ravenworth Hall.
A vida de Nicholas começa a mudar quando ele é obrigado a honrar um compromisso assumido por seu falecido pai e acolher como tutor a jovem Elizabeth Woolcot. Elizabeth é o oposto de Nicholas. Ingênua, inocente e correta, ela precisa ir morar na grande mansão campestre para fugir de um pretendente digamos muito insistente.
Oliver Hampton, lorde Bascomb, deseja Elizabeth acima de tudo. Depois que a moça ficou órfã seu assédio chegou ao ponto de uma tentativa de estupro. Para livrar a jovem das garras do mau caráter, o advogado de Nicholas e responsável pela tutela de Elizabeth, intima o conde a colocá-la sob sua proteção e providenciar um casamento vantajoso para ela.
E tudo teria dado certo se o coração empedernido de Nicholas não começasse a ser tocado pela doçura da jovem...
Achei muito bacana a maneira como a autra conduziu o dilema pelo qual Nicholas passa. Suas culpas, suas recaídas na devassidão do sexo pago, do jogo e da bebida, suas tentatívas de se afastar de Elizabeth. E também os dilemas morais de Elizabeth, ao se sentir atraída por um homem a quem toda a sociedade tem como proscrito. Para se ter uma idéia de como é a vida de Nicholas, a cena inicial do livro descreve o encontro dele com uma de suas inúmeras amantes.
A história tem muitas reviravoltas, revelações inesperadas, romance sem pieguice, ação em doses moderadas, personagens secudários interessantes e bem construídos e uma dose perfeitas de cenas hot. talvez o ano de sua publicação original - 1998 - seja um ponto decisivo, já que a década de 90 foi - na minha opinião - a da melhor safra de romances chick-lit e a que revelou as maiores autoras do gênero. 
No saldo final, foi uma excelente aquisição e uma grata surpresa conhecer mais esta autora. O que pintar dela agora, eu pego sem pensar!
BJS da Drica ;-)

FICHA TÉCNICA:
Best Seller 151
Autora: Kat Martin
Título Original: Wicked Promise
Publicação no Brasil: NC, 2009
Publicação Original: St Martin's Press, 1998
(Série Clayton - 1/2 )

Inglaterra, 1803

O DILEMA DE UMA MULHER.

Quando o desprezível lorde Bascomb tenta forçar Elizabeth Woolcot a se casar, ela se vê obrigada a recorrer, mesmo contra a vontade, a seu influente guardião. Nicholas Warring é um homem atraente e carismático, com o poder de salvar Elizabeth, mas com um passado que poderá colocar a reputação dela em risco. Conquistador incorrigível, ele também já foi condenado por assassinato... e escapou por pouco de ser executado na forca...

Elizabeth não consegue evitar a atração que sente pelo homem que povoa seus sonhos, assim como ele não consegue controlar o desejo que sente por ela. Mas Elizabeth sabe que aquele é um amor impossível, pois Nick é um homem casado. Então, um crime hediondo abala as vidas de ambos. e Nick é o principal suspeito. Elizabeth quer acreditar na inocência dele, mais do que na própria vida e no amor que invade seu coração. mas poderá confiar em um homem como ele?

terça-feira, 20 de abril de 2010

Livro “TPM sob controle”

Oi people!


Vamos combinar. Qual mulher que, em maior ou menor grau, nunca sofreu desse famigerado problema? Pior, não tenha ouvido alguma insinuação, ou gozação mesmo, do tipo “ah, só pode estar de TPM”... ou frases de similar complexidade, se é que você me entende...


Eu também sofro com TPM... novidade...rssssss... mas como há um bom tempo tenho consumido soja (leite, em cereais e tals) percebo que os sintomas são mais leves agora. Por exemplo, não tenho mais vontade de chutar sombra, nem roer canto de porta, nem rosnar...muito [Lady Apfel com um mega sorriso orgulhoso].


Como acredito na importância de nos informarmos sempre o máximo possível sobre essa sarna [ok, nos informarmos sobre TUDO] e de socializar informações quando são relevantes a todos(as), pensei nesse post.


A idéia de criá-lo surgiu agora a pouco, quando estava à toa visitando alguns dos meus blogs favoritos na internet. Não procurava nada relacionado à TPM em especial, mas apenas botando em dia minhas leituras nerds, quando me deparo com um post da Aline Cavalcanti do Blog das Gurias, sobre o quê? Yessss, TPM!


Aline traz a baila a TPM de forma muito bacana, séria e com alguns dados estatísticos/científicos inclusive. O livro que ela cita como fonte de referência chama-se “TPM sob controle”, do Dr. José Bento [Lady Apfel já incluindo ele na sua lista de livros desejados].


Sinopse do livro divulgado no site da Editora Alaúde:



De cada dez mulheres, pelo menos oito sofrem com a tensão pré-menstrual, a chamada TPM: um conjunto de sintomas fí sicos, emocionais e comportamentais que aparecem durante uma a duas semanas antes da menstruação, e que costumam desaparecer quando ela chega. Há mais de 150 sintomas relatados para essa síndrome, dentre eles cólicas, dor, inchaço, rigidez nos seios, e até mesmo problemas de memória, concentração e profunda depressão. O estilo de vida atual, o acúmulo de funções e as exigências da vida moderna contribuem para agravar ainda mais o quadro.


Mas não é preciso sofrer tanto com a TPM! Neste livro, o doutor José Bento dá todas as recomendações sobre o que fazer para evitar e controlar essa desconfortável “visitante” mensal das mulheres. Com a prática de atividades físicas, mudanças nos hábitos alimentares, medicamentos modernos, novas atitudes, além do conhecimento das causas e efeitos da TPM, é possível mini mizar seus desagradáveis sintomas e levar uma vida normal e saudável durante todos os dias do mês.



Para concluir, posto aqui a oração que a Aline publicou e que ri MUITOOOO, pois rir é maraaaaaaaaaaa e ajuda a prevenir..rsssssss!

Reprodução


Então, people, #ficadica!


Abraços carinhosos

Lady Apfel



segunda-feira, 19 de abril de 2010

Para Sempre - Série Os Imortais

Oi people!


Na semana passada terminei de ler o livro Para sempre, de Alyson Noel – Série Os Imortais. Eu sei, eu sei... não é nenhum dos que havia falado anteriormente, mas como esse era emprestado acabei priorizando ele para poder devolvê-lo a sua dona (valeu Clarita!). Afinal, quem passou por experiências como eu, de emprestar um livro e depois nunca mais vê-lo, ou vê-lo só depois de mil anos, sabe do que estou falando!


Pode conter spoillers!


Bom, vamos lá. O livro em si é gostosinho de ler. Típico dos livros que estão surgindo aos montes, voltados aos adolescentes [e os não tão adolescentes ;) ]. Tem uma linguagem acessível e simpática. Apesar do nome e de - em alguns momentos - dar a entender isso, não se trata de outra série de vampiros, mesmo havendo personagens imortais.


Quem leu toda a série Crepúsculo, de Stephenie Meyer (euuuuu!), vai perceber algumas similaridades em certas passagens... por vezes até estranhas. Em um artigo, a autora Alyson Noel se diz surpreendida por essas comparações, já que aborda na série Os Imortais -além de romance, é claro - questões como a metafísica, aura, chacras e tals, o que não houve na série Twilight. Realmente, nesse sentido, ela está coberta de razão. Inclusive, Alyson faz uma referencia no livro ao Dr. Brian Weiss, psiquiatra famoso por estudos e livros sobre vidas passadas (amei Only Love Is Real, dele...ai ai ai, lindo!). Mesmo assim, durante a leitura, é impossível não ter a sensação de que algumas descrições parecem com Crepúsculo...hehehe... But, como a Intriseca é a editora brasileira que comprou o direito de ambas as séries, provavelmente eles observaram essa questão também...


Vamu s´imbora... Durante a leitura de Para sempre dei umas boas risadas em algumas passagens, principalmente com o amigo da Ever [não estou lembrando o nome dele agora] – que tinha umas tiradas bem bacaninhas, assim como me sensibilizou alguns lances românticos entre a Ever e o Damen. Mas também houve horas que a trama parecia se arrastar. Estava na metade do livro e a Ever só achava estranha algumas peculiaridades do Damen... aff... garota devagar, viu? Acredito ainda que faltou algumas reviravoltas para manter o clima de suspense e tensão que no início a autora conseguiu dar.


Apesar do enredo prometer e da leitura ser agradável de uma forma geral, não rolou aquela química. Então, esse não é um livro que recomendo ou deixo de recomendar já que as opiniões sobre ele divergem [já vi coments de pessoas que simplesmente amaram ele e querem ler os próximos]. Entretanto, ele Infelizmente não entrou para a minha lista de livros de cabeceira, meus bestsellers [aqueles que a gente compra e não vende, não empresta, não doa, não... não... não... rsss].


Mesmo assim, dou um voto de confiança a série Os Imortais simplesmente por, assim como muitas outras séries que estão surgindo, motivar a juventude a LER! Isso para mim não tem preço!


Sinopse disponibilizada pela Editora Intrinseca:


Ever Bloom tinha uma vida perfeita: era uma garota popular, acabara de se tornar líder de torcida do principal time da escola e morava numa casa maravilhosa, com o pai, a mãe, uma irmãzinha e a cadela Buttercup. Nada no mundo parecia capaz de interferir em sua felicidade, o céu era o limite! Até que um desastre de automóvel transformou tudo em um pesadelo angustiante.


Ever perdeu toda a sua família. Mudou de cidade, de escola, de amigos, e agora, além de todas essas transformações, precisa aprender a conviver com uma realidade insuportável: após o acidente, ela adquiriu dons especiais. Ever enxerga a aura das outras pessoas, pode ouvir seus pensamentos e, com um simples toque, é capaz de conhecer a vida inteira de alguém. É doloroso. Ela foge do contato humano, esconde-se sob um capuz e não tira dos ouvidos os fones do i-pod, cujo som alto encobre o barulho das mentes a seu redor.


Até que surge Damen. Tudo parece cessar quando ele se aproxima. Só ele consegue calar as vozes que a perturbam tão intensamente. Ever não entende o porquê disso, mas é incapaz de resistir à paz que ele lhe proporciona, à sensação de, novamente, ser uma pessoa normal. Ela não faz ideia de quem ou o quê Damen realmente é. Sua única certeza é estar cada vez mais envolvida... e apaixonada.


Abraços carinhosos,

Lady Apfel

sábado, 17 de abril de 2010

Coração Ferino - Deborah Simmons

Comprei este livro meio por acaso, mais pela autora do que por ter me interessado pela história em si. Sempre amei o estilo da Debora e (óbvio) sou fã de carteirinha dos rapazes DeBurgh.
"Coração Ferino" é o primeiro livro da mini-série "The Marchants", que conta a história dos irmãos Sidony e Christopher "Kit" Marchant. A ação começa com os dois chegando a propriedade rural que receberam de herança de uma parenta distante.
Oakfield é uma mansão construída a época dos Tudor, cercada de superstições, semi abandonada, mas que logo cativa o coração do otimista Kit. Sidony, por sua vez, apesar de ser a mais jovem dos irmãos, é mais pragmática, e logo fica intrigada com a má fama que a casa tem. Além disso, nos jardins da mansão os irmãos encontram um misterioso labirinto, cuja complexidade fascina a jovem.
Uma sequencia de estranhos incidentes precede a chegada - não menos suspeita - do antigo vizinho dos irmãos Marchant, Bartholomew, visconde Howthorne. E apesar de, na infância, o trio haver sido muito chegado, o homem que se hospeda em Oakfield - amargurado e sombrio - em nada lembra o antigo "Barto", companheiro de travessuras de Kit e Syd.
Desconfiado até da sombra, e com uma missão secreta por detrás da aparentemente inocente visita aos amigos, Barto logo ganha a animosidade de Syd, muito menos crédula do que o irmão. E no meio de provocações, palavras atravessadas, criados sinistros e humores azedos, os dois vão acabar se sentindo atraidos um pelo outro.
A história é interessante. Deborah escreve bem, como sempre, nos presenteando com descrições cuidadosas e criando uma atmosfera que revive os romances góticos, tão em voga nos séculos XVIII e XIX. O livro tem um ritmo moroso, que não chega a tornar a leitura chata. No entanto, há  alguns trechos com longas descrições técnicas sobre labirintos e tudo o mais que comprometem o ritmo. Na minha opinião, poderiam ter sido apresentados de uma forma mais "diluída" no texto. E para quem leu a saga DeBurgh, já aviso: não é um livro "hot". Seu foco principal é o mistério que cerca Oakfield.
Para variar, percebi a mutilação edição de cenas que, em determinadas partes do livro, acaba comprometendo o entendimento. Também faltou explicar o rumo de um personagem que aparece bastante e é parte do mistério, mas que depois, some. Acho que a "explicação" estava exatamente na parte que cortaram (se eu contar qual, vira spoiller. Mas é no penúltimo capítulo). Além dessas "edições" também não me conformei com os erros gritantes de protuguês; "enXarcada" está logo na primeira página e "desconSertada" aparece mais de uma vez. Além de "primeira prioridade", que quase fez com eu jogasse o livro pela janela. Um mico.
No placar final, eu daria nota 3 para ele. Bom para distrair num dia chuvoso.

FICHA TÉCNICA:
Rainhas do Romance Histórico 03
Autora: Deborah Simmons
Título Original: The Dark Viscount
Publicação no Brasil: Harlequin,2009
Publicação Original: Harlequin, 2008

SEU CORAÇÃO É AMARGURADO, E ELE NÃO CONFIA EM NINGUÉM...
Trovoadas retumbavam e relâmpagos cortavam o céu quando a srta. Marchant chegou a sua nova e imponente mansão. Mas a linda e inteligente Sydony não se deixava intimidar com facilidade.
Entretanto, se a casa não a assustara, a chegada do visconde Hawthorne certamente o faria. No lugar do menino que ela outrora havia beijado, estava Bartholomew, um homem com brilho implacável no olhar.
Ele estava ali para revelar uma verdade, e arruinar Sydony. Mas logo se viram rodeados por segredos mais sinistros do que poderiam ter imaginado. E à medida que a tensão entre os dois ia se intensificando, a lembrança daquele beijo inocente passou a não ser mais o suficiente.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Dia Internacional do Café

Oi people!!!


Nossa , fiquei tão contente com uma notícia que precisei fazer um post sobre ela. Pena que não consegui postar ontem, pois...






14 DE ABRIL FOI DIA INTERNACIONAL DO CAFÉ!!!



Certo, meio atrasado, mas o que vale é a lembrança, não? kkkkk


Descobri essa informação pelo blog Múltiplos Eus e, depois, li algumas (poucas) notícias relacionadas a temática. Bem que o cafezinho nosso de todos os dias merecia mesmo um dia só para ele, heim? Afinal, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), essa beberagem maravilhosa é consumida por APENAS 97% dos brasileiros. Só isso... básico...hehehe


Caramba gente, eu amoooo café. Esse elixir sagrado que nos sustenta em dias turbulentos ou em noites insones, seja escrevendo, seja lendo – ou ainda fazendo os dois . Que dá um up, que esquenta, que acolhe (estou lírica, ou é impressão minha? rsssssss).


Já me falaram que o cheiro do café é melhor do que o sabor. Caríssimos (as), se algum(a) de vocês pensa assim, lamento dizer que vocês nunca provaram um café de verdade... ou feito corretamente. Existem alguns aspectos na sua preparação que, se não observados, comprometem o sabor.


O primeiro, do meu ponto de vista, seria definir (caso você nunca tenha pensado sobre isso), qual o tipo de torragem aprecia, pois há quem saboreie um café forte (euuuu!!) e há os que preferem menos forte. O tipo de torragem do café também dá o tom dessa canção.


Em seguida, escolher uma marca de sua confiança (pois isso implica em não encontrar milho moído ou outras cositas junto aos grãos de café, se fazendo passar pelo nosso pretinho básico).


Também existe o tipo de grão (espécie): sempre que posso, opto pelo tipo Coffea arabica. Mas não se aborreça se não gosta deste. Há outras espécies, para agradar todos os paladares ;)


Tendo escolhido marca, o tipo de grão e de torragem, vem o que considero fundamental: seguir as instruções de preparo do café conforme indicado na embalagem. Temperatura da água e quantidade exata de pó precisma ser os recomendados. Muita gente faz essa medida no olhomêtro e, com isso, acaba perdendo a oportunidade de apreciar o café em toda a sua pujança (eu tô terrível, fala sério!...rss).


Claro que há outras considerações, mas essas são as básicas...hehehehe


Então pessoal, escolham e preparem um café bem gostoso e curtam essa pequena charge com o Garfield (outro fanático por café...kkkkkk) que posto para vocês se esbaldarem ;)





Abraços carinhosos

Lady Aplfel

domingo, 11 de abril de 2010

E a sortuda do Mulheres Romanticas foi...

...Monique Laurentis! Mais uma que vai ter seu personal-Ragnar nos braços!!!!!!!!!
Parabéns a Monique e obrigada às @romanticas, que fazem um dos bogs mais bacanas no nosso romanticverse.

E para as curiosas de plantão, liberei um trecho da sequência de "Reinos dos Ceus", "Fogo Vermelho", - que será lançada em 1º de julho - para a degustação das leitoras dos blogs Mulheres Romanticas e Romances In Pink.
Obrigada a Tonks, Carol, Favinha, Natalia e todas as blogueiras que participaram divulgando o sorteio e o livro.

BJS da Drica ;-)

E depois do sorteio...

Parabéns a Leninha, do blog SEMPRE ROMÂNTICA. E que tal se divertir agora com o avatar da Radegund em Buddy Poke?



Ah, fala sério, vai? Ficou cute, rsss.
Bom domingo pra vocês!
BJS da Drica ;-)

sábado, 10 de abril de 2010

E aí eu escrevi um livro...

Ainda hoje eu paro para pensar em como tudo começou. Abrindo minhas pastas e verificando os arquivos dos meus livros, eu realmente me pergunto como é que fui capaz de produzir tudo aquilo! Mas o processo de escrever é algo assim, um tanto voraz, com um que de canibal. Vai devorando suas emoções, e pedaços de suas experiências, e da própria personalidade, digerindo todas as coisas e dando forma a outras. É compulsivo, incontrolável e indomável.
Das primeiras linhas escritas da saga Radegund, até os seis livros - cinco finalizados, e um sexto pela metade - até a publicação da primeira edição de "O Reino dos Céus", muita escrita passou por debaixo da minha caneta. E muitos teclados sob meus dedos.
Eu dei conta do fato há pouco dias, quando, numa daquelas arrumações que começamos a fazer em nossas coisas, topei com um caderno que costumava usar para fazer anotações de meus textos. E ali, no meio daquelas páginas onde havia de tudo, - e mais um pouco - tropecei nas primeiras linhas de "Fogo Vermelho". O segundo livro da saga - cronologicamente falando - mas o primeiro que eu escrevi. E ter aquele texto ali, nas minhas mãos, trouxe tantas coisas a minha mente, que nem tenho como explicar!
Do esboço inicial, até hoje, muita coisa mudou. E não falo apenas do texto e dos personagens, mas de mim mesma, e de tudo ao meu redor. Fiquei tão feliz em encontrar esse caderno, que hoje ele fica ao lado de minha cama, junto com uma caneta, sempre pronto para receber minhas inspirações súbitas.(normalmente as Musas vem atrapalhar meu sono. Não tem nenhuma noção de tempo, timming zero!).
E o que havia no caderno? Deixo aqui embaixo a imagem digitalizada de onde tudo começou, por volta de 2003-2004. E qualquer dia desses eu volto para contar o que teria sido, e o que realmente está sendo!

BJS da Drica ;-)

Listagem sorteio "O Reino dos Céus" - Romances In Pink

Olá pessoal!

A Tonks71 já colocou no ar a lista de participantes no sorteio do meu livro. Agora é só vocês cruzarem os dedinhos! Os dois exemplares estão aqui nas minhas mãos, cheirando a novos, esperando pela(o)s felizes ganhadora(e)s!!!!!

Clique AQUI para ver a lista.

BOA SORTE!

BJS da Drica;-)

Não é só de romance que vive o homem... mas de todo o gênero literário

Oi people!!!

Nas revistas Veja da semana passada e a desta, li duas críticas literárias que aguçaram meu interesse pelos livros comentados. Um deles chama-se A Longa Marcha dos Grilos Canibais – E outras crônicas sobre a vida no planeta Terra, de Fernando Reinach, pela Companhia das Letras.


Ok, o nome do livro é muiiito estranho, parece sem “eira nem beira”, mas quando comecei a analisar as informações sobre ele me deu uma ânsia por lê-lo. Sério! Meu instinto, faminto (já entrando no clima dos grilos canibais..rsss) por conhecimento, simplesmente foi ativado... rsssssss


Segundo as informações que li na revista e no site da editora, o livro trás um conjunto de crônicas curtas que aborda a ciência e as mais diversas evoluções envolvendo a vida, de uma forma bem humorada e numa linguagem que objetiva aproximar o público da ciência.



Sinopse publicada no site da editora Companhia das Letras :


Quando a fome e o medo põem em marcha os grilos Anabrus, esses insetos formam densas colunas de até dez quilômetros que avançam dois quilômetros por dia e são palco de cruéis cenas de canibalismo. Para não serem devorados, os grilos migratórios constantemente dão coices em quem vem atrás e avançam incansáveis. A crônica que dá nome ao livro de Fernando Reinach é uma entre dezenas de textos publicados originalmente no jornal O Estado de S. Paulo entre 2004 e 2009 numa coluna que a cada semana aproxima mais leitores dos temas científicos.



As crônicas bem-humoradas não deixam dúvida: ciência é para todos. Reinach conta descobertas e enigmas nas mais diversas áreas da ciência, como dilemas ambientais, a diversidade das florestas, os mistérios do sexo, a complexidade da mente, a pré-história da arte, os avanços tecnológicos que transformam o corpo humano e a política que envolve a pesquisa, entre outros temas. A longa marcha dos grilos canibais não traz respostas prontas.


Os textos curtos capturam o leitor, atiçam a curiosidade, divertem e intrigam. Refletem sobre o que é o ser humano, desde genes e células até próteses robóticas, desde a pré-história até um futuro próximo. Discutem também qual é o lugar e o papel desse ser humano que domesticou centenas de espécies de plantas e animais para uso próprio e causou danos profundos no planeta que habita - desmatamento, zonas mortas nos oceanos, mudanças drásticas no clima -, danos que agora tenta consertar de forma muitas vezes desastrada. E põem em dúvida certezas que hoje permeiam a sociedade, como a capacidade humana de agir por livre-arbítrio (será?) e a sustentabilidade dos alimentos orgânicos (que não são necessariamente mais saudáveis).



Longe de se limitar ao bicho humano, o livro passeia pelas mais diversas manifestações de vida e faz uma síntese bastante abrangente e esclarecedora da situação da pesquisa científica nos dias de hoje.


Para quem tiver interesse, há um trecho do book publicado na veja.com



O outro livro também está relacionado à ciência – mais especificamente a física dessa vez. Criação imperfeita, do físico e professor do Dartmouth College Marcelo Gleiser (pode também ser lembrado pelo quadro que teve na

revista eletrônica Fantástico, na Globo. Acredito que era poeira nas estrelas ou algo assim.) desmistifica, segundo as informações obtidas, alguns aspectos da ciência (erros e acertos) e trata ainda sobre a tentativa dos cientistas em explicar a razão de tudo.


Sinopse publicada no site da editora Record :


“(...) em prosa clara, decifra o significado de algumas das mais importantes consuistas da ciência e conduz o não iniciado pelos acertos e desacertos de dois milênios de tentativas de ‘desvendar a mente de Deus’ ”, Thereza Venturoli.


Gleiser, um dos grandes cientistas da atualidade, desmonta o maior mito da ciência e da filosofia ocidentais: o de que a Natureza é regida pela perfeição. O físico brasileiro radicado nos EUA também contesta o discurso dos ateístas radicais, como Richard Dawkins, mostrando que a ciência não prova a inexistência de Deus.



Conclusão, a lady aqui está ferradinha ao quadrado. Assim que sobrar uma grana (ou alguma alma boa me presentear...kkkkk) vou tê-los.....kkkkkkk, porque minha compulsiva obsessão por informações-livros já está mais do que acionada e os dois books estão na minha lista de desejos...hehehehe. Tá bom, tá bom, podem me chamar de nerd, eu não ligo! Mas é tãoooo bom ler, que me empolgo com tantas novidades nos gêneros literários...rssss. E quando esses caras, que possuem experiência e certo reconhecimento em pesquisa científica, publicam um livro que aproxima a ciência das pessoas, eu fico em êxtase!


E vocês? Conhecem algum livro ou textos de Fernando Reinach ou Marcelo Gleiser? Conte para nós o que achou!!


Abraços carinhosos

Lady Apfel